055 | A Síndrome da Ostra

A ostra é um molusco que passa o maior tempo de sua vida fechada e faz do seu interior uma ‘fortaleza’ para esconder e proteger o seu interior do mundo exterior e dentro dela existe uma joia, uma pérola de valor inigualável.

Apesar dessa definição poeticamente bela, nós podemos aplicar o antagonismo em nossas vidas da Síndrome da Ostra. Mas do que eu estou falando?

Nós não precisamos esconder do mundo exterior os valores morais, o caráter e as razões que norteiam o nosso ser, bem como, não precisamos esconder dos amigos (eu falo dos verdadeiros, àqueles que valem a pensa serem chamados de amigos), não precisamos esconder deles as nossas alegrias, as nossas tristezas, as nossas vitórias, as nossas derrotas, as nossas ambições e as nossas frustrações…

Não sofrer da Síndrome da Ostra é uma atitude bíblica, pois lemos em Tiago 5:16 ‘Portanto, confessai vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes curados.’

Repare no que o Apóstolo Tiago diz nesse versículo:

1 – Confessar os pecados é a ‘porta’ da sua cura, é a ‘chave’ de seu livramento e das soluções para os seus problemas, confessar é expor, é contar, é compartilhar;

2 – Você não consegue ter um diálogo com um cachorro, jumento ou baleia, então, é lógico que Tiago manda você confessar (dialogar, expor, contar, compartilhar) com algum semelhante e não precisamos ser doutores em Teologia para sabermos que só podemos confessar ou expor a nossa vida e ter um diálogo franco e sincero com um verdadeiro amigo ou amiga, aquele que já passou no ‘teste do kilo de sal‘;

3 – Tiago orienta que devemos ‘orar  uns pelos outros‘ e só saberemos em que área da vida devemos orar por um amigo (verdadeiro) se ele nos contar ou indicar em que direção devemos orar. Se ele não disser em que área devemos interceder, e se você não tiver o Espírito da Mãe Dinah, jamais saberemos, então confessar é expor, é desnudar as nossas fronteiras… Eu não tenho bola de cristal e acredito que você também não tenha…

Eu escuto constantemente que não devemos contar para ninguém as nossas mazelas, queixas, duvidas derrotas ou frustrações, por que em geral os pedidos de orações são para situações de sufocos… Raramente, ou quase nunca, alguém pede orações para agradecer: ‘Agradeça a Deus e interceda por que a minha vida está as mil maravilhas e tudo está indo bem...’

Não é mesmo?

Então, eu conto nos dedos da mão esquerda do Lula, e ainda sobram dedos, os amigos que eu posso contar os meus segredos, as minhas angústias, as minhas frustrações e as minhas dores… Não é todo ‘amigo’ que tenho a liberdade (e confiança) para me abrir. Contar e confessar é uma atitude de extrema confiança, e eu não confio em qualquer um.

Não vou citar nomes, para não causar ciúmes ou intrigas, mas quem é meu amigo e a quem eu considero como amigo, eles sabem quem são. E você pode me perguntar: ‘A Dona da Pensão está nessa lista?’

Eu te responderia assim: ‘Ela está nessa lista e na minha vida‘.

Eu não sofro da Síndrome da Ostra e você?

Pr. Léo Vilhena

admin

Léo Vilhena | Doutor em Teologia | Especializado em Psicologia Pastoral | Especializado em Bases Doutrinárias | Autor de 20 livros publicados | O Blog PPR é um ministério voltado a levar a Mensagem da Cruz, sem falsidades, sem enganos, sem falácias, sem mentiras ou Hipocrisias. Falamos a Verdade com verdade. Levamos o Evangelho a sério.